Saiba mais sobre a Olimpíada do mundo do Ballet

Conheça a competição mais prestigiada que rendeu a medalha de ouro à bailarina brasileira mais jovem ao se formar na Escola do Bolshoi

A Competição Internacional de Ballet de Varna, que acontece na Bulgária, é a mais antiga e prestigiada competição do mundo do ballet, sendo considerada pela Comunidade do Ballet como a Olimpíada da modalidade. Foi fundada por Emil Dmitrov, que promove o evento por meio de parcerias, patrocínios e doações.

A competição começou em 1964 e desde então ela acontece a cada dois anos; ao longo de seus 50 anos de realização, suas 25 edições registraram o maior número de competidores tendo mais de 2.500 bailarinos de 40 países. A última edição foi em 2018, devido à Covid-19, mas todos aguardam ansiosamente por uma possível competição em 2022.

Durante o evento também ocorrem ações simultâneas que trazem pedagogos mundialmente famosos para lecionarem, por exemplo, o International Summer Ballet Academy que oferece aulas de ballet clássico, técnicas contemporâneas e jazz.

A Competição Internacional de Ballet de Varna é considerada como a Olimpíada do mundo do ballet, além disso, é o concurso mais antigo da modalidade clássica.

Existem duas categorias na competição: a Categoria Senior e a Categoria Junior. Na Junior podem competir bailarinos entre 15 e 19 anos; já na Senior, bailarinos de 20 até 26 anos. Além disso, a competição se divide em três fases. A primeira é uma dança clássica obrigatória na qual os bailarinos devem escolher entre um pas de deux ou duas variações do repertório obrigatório preestabelecido pela organização do evento.

Já na segunda fase, os bailarinos devem dançar duas coreografias que não foram apresentadas na primeira prova. Os competidores devem escolher entre um pas de deux ou duas variações do repertório clássico que tenham sido criadas até o final do século XIX. Além de apresentarem um trabalho contemporâneo coreografado nos últimos 5 anos, não podendo exceder 6 minutos.

Por fim, na terceira fase os competidores devem apresentar duas coreografias não dançadas nas fases anteriores atendendo aos mesmos requisitos da fase anterior. Após toda a competição, os vencedores participam de uma gala na qual cada bailarino premiado apresenta um trecho de sua coreografia vencedora e no final todos recebem os calorosos aplausos da plateia.

Amanda Gomes, bailarina brasileira que se formou na Escola Bolshoi aos 16 anos, foi a última brasileira a ganhar a medalha de ouro na Competição Internacional de Varna.

Em 2016, a Olimpíada do Ballet premiou a bailarina de Goiânia, Amanda Gomes, que se formou na Escola do Teatro Bolshoi do Brasil aos 16 anos, se tornando a bailarina mais jovem a se graduar, e, hoje, é a Primeira Bailarina da Ópera de Kazan, na Rússia. Amanda foi a última bailarina brasileira a ganhar a medalha de ouro na competição de Varna.

Além de Amanda, Varna teve grandes bailarinos como António Casalinho que participou da edição de 2018 quando foi o mais jovem da prova e conquistou vários prêmios incluindo o de bailarino mais promissor e a medalha de ouro na categoria de juniores.

Clique aqui para acessar o site oficial do concurso e conhecer um pouco mais dessa “Olimpíada do Ballet”.

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale com a gente
Enviar via whatsapp