fbpx

Conheça a Tatiana Leskova: a bailarina francesa de pais russos que acaba de completar 97 anos e que muito contribuiu para a história da dança no Brasil 

Tatiana Leskova nasceu na França no dia 6 de dezembro de 1922. Filha de pais russos, que se exilaram em Paris durante a Revolução Russa, ela se identifica como uma bailarina solta no mundo” (inclusive esse é o título de seu livro), pois tem suas raízes na Rússia e na França e tem muito carinho pelo Brasil, onde mora hoje. 

A história desta bailarina com a dança começou cedo, já na sua infância. Ela começou a dançar em Paris antes dos seus 10 anos de idade. Sua mãe tinha falecido e ela precisava fazer algum exercício para a sua caixa torácica. Foi com a dança que ela se curou de uma infecção, pois seu pai era pré-tuberculoso. Neste período, a escola que ela dançava ainda não tinha turmas para criança, por isso, ainda aos 12 anos, dividia suas aulas com bailarinos profissionais e nomes importantes da época. 

A sua primeira audição foi aos 14 anos para a Ópera Comique de Paris, segundo teatro mais importante da cidade. Nesse momento foi estagiária, pois com essa idade ela não poderia ser parte do corpo de baile. Tirou segunda colocação entre 200 candidatos e ganhava metade do salário que ganhavam os bailarinos profissionais, apenas por ser menor de idade. 

Depois, foi integrante ainda do Original Ballet Russes aos 16 anos, indo para Londres. Diante dessa companhia, Tatiana pôde dançar obras de muitos coreógrafos reconhecidos, como Fokine, Massine, Balanchine, etc, bem como fazer turnês internacionais, dançando, por exemplo, na Austrália, EUA, Canadá, México, Cuba. Neste momento 17 bailarinos entraram em greve por falta de pagamento dos salários, e a companhia ficou por volta de 5 meses em Cuba, porque o empresário que levaria os bailarinos para Brasil, Uruguai e Argentina quebrou o contrato.  

Essa foi a época da Segunda Grande Guerra. A Companhia desembarcou, então, no Rio de Janeiro, em 1942. E, no dia 20 de abril desse ano, a companhia Original Ballet Russes se apresentou pela primeira vez no Brasil, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O repertório incluía obras marcantes como Les SylphidesPaganiniOs PresságiosO Espectro da RosaChoreartium e Baile dos Graduandos. Durante a temporada de sua companhia no Rio de Janeiro, Tatiana teve a oportunidade de conhecer a mestre Maria Olenewa, formadora do Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, e sua aluna Madeleine Rosay, primeira bailarina totalmente formada em nosso país, mais tarde Bertha Rosanova, Tamara Capeller entre outras. Apresentaram-se também em São Paulo, e depois seguiram novamente para a uma turnê em toda América do Sul. 

Nessa época, Tatiana ainda não ficou de vez no Rio, mas ainda foi para Uruguai e Argentina e voltou para cá dois anos depoisO fato de a Europa estar em guerra, fez com que permanecessem circulando pelas Américas até 1944. Um ano antes, 1943, Tatiana conhecera quem ela julgava ser seu grande amor. Em uma temporada pela Argentina, com apresentações no Teatro Colón, Tatiana e sua amiga, Ana Volkova, foram convidadas por um militar inglês para sair e tomar um drink, então Tatiana apaixonou-se por um brasileiro que acompanhava o inglês. Em 1944, último ano da companhia pela Américas, voltou ao Brasil para uma nova turnê no Rio de Janeiro e em São Paulo. Nesse ano Tatiana reencontrou aquele que ela julgava ser seu grande amor, e decidiu ficar no Brasil junto a ele, se mudando para cá em maio daquele ano. 

Nesse momento, sua família, de origem russa, estava na França, sem passaporte. O governo da França na época era comunista. Tatiana, então, trabalhava no Brasil no Copacabana Palace para ajudar a sua família de longe. Logo depois foi contratada como bailarina no Theatro Municipal e lá trabalhou de 1950 a 1952. Ela foi chamada para ser diretora do Corpo de Baile, mas para isso teria que ser brasileira. Por isso, conseguiu a nacionalidade brasileira, assinada pelo Getúlio Vargas, o nosso Presidente neste período. 

Um pouco antes, em 1947, ela fundou o Ballet Society, em que só faziam parte os seus melhores alunos da sua escola anteriormente constituída. O nome se justificava porque a receita da noite ou da matine era dividida em sociedade entre todos os integrantes da Companhia. Foi por causa do Ballet Society que o TMRJ a convidou como diretora em 1950. Nessa época, apesar de muito jovem para dirigir um teatro (Tatiana tinha 27 anos), já tinha muita experiência, por ter feito parte do Original Ballet Russes e sabia muito bem o repertório. Ela trouxe o máximo que podia desses repertórios do Ballet Russes para o TMRJ. 

 

Enquanto diretora, Tatiana ficou 1 ano e 7 meses sem dançar para poder formar o repertório do Theatro e trabalhar os bailarinos. Mas depois retornou a dançar mesmo enquanto dirigia. Até que em 1962, ela quebrou o menisco e teve que ser operada e parou de dançar aos 40 anos. Essa foi uma fase difícil para ela, mas desenvolveu a paixão pela didática. Algumas estrelas que foram primeiras bailarinas foram suas alunas, como Beatriz Consuelo e Márcia Haydée. 

Ela é reconhecida como uma professora muito exigente e rigorosaTatiana também foi responsável por animar as temporadas de dança do Municipal, fazendo apresentações quase diárias e trazendo bailarinos e coreógrafos de outros países como colaboradores. Com temporadas anuais que sempre contavam com participações de bailarinos internacionais importantes, as apresentações eram de sucesso e rodaram o país inteiro, além de algumas cidades de países vizinhos. 

Ela teve e ainda tem uma carreira muito vasta. Remontou inúmeros ballets para o TMRJ, como “O espectro da rosa”, “O despertar do fauno” e “Les Sylphides”, mesmo após os 90 anos. Também montou muitas coreografias, como “Variações sinfônicas” e “Foyer de la danse”. Além disso, Tatiana também tem o direito de remontar os ballets de Massine. 

Em 1986, ela recebeu na França uma homenagem, sendo intitulada como “Enciclopédia da dança”, por todo o seu conhecimento nessa arte e por ter feito muito pelo ballet no Brasil. E em 2018 recebeu outra homenagem do Centro Cultural do Brasil. 

Segundo Tatiana, qualquer arte não envelhece, mas pode crescer com o tempo. O ballet clássico de agora, não é o mesmo clássico que dançava com a sua professora; ele evolui, mantendo a sua base. Para ela, o que mais evoluiu foi a composição; se compõe de outro jeito. E para ela, o gosto público tem que evoluir junto, apresentando para ele não só os ballets centenários, mas também novidades. 

Seu segredo para a sua longevidade, é ser curiosidade, é saber do que está acontecendo e não só ficar presa a seu tempo. Ainda hoje, depois dos 90 anos, é bastante ativa; ela ainda viaja pelo mundo para se manter antenada de tudo o que está acontecendo dentro do universo do ballet e fora dele. 

Com certeza, uma super inspiração para todos nós! E se você gostou de conhecer um pouco mais da história dessa bailarina incrível, não deixe de ler seu livro, “Uma bailarina solta no mundo”.