fbpx

A rejeição da audição levou a solista do Miami City Ballet ao seu emprego dos sonhos

Bailarinos que desejam serem profissionais, precisam passar por audições e competições para que ingressem nas companhias que gostariam de trabalhar.

Inclusive, já fizemos aqui um post com dicas para se preparar para audições, é só clicar aqui para ler. Mas, nem sempre a aprovação nessas audições é imediata e nem sempre os planos saem como se imagina. Muitos bailarinos precisam tentar várias vezes até serem aprovados em alguma companhia e acabam indo trabalhar em alguma outra diferente da que eles mais sonhavam. E é disso que vamos falar neste post, provando que, algumas vezes, pode ser muito bom os nossos planos não acontecerem do jeitinho exato que estávamos pensando.

Samantha Hope conta como aconteceu sua história:

 

“Quando eu tinha 18 anos, eu era trainee na Boston Ballet School. Passei vários anos na escola, um ano no programa pré-profissional e seis verões com eles. No final do meu ano de trainee, tive a impressão de poder ingressar na companhia principal ou na segunda.

 

Naquela época, a mentalidade geral era: você faz parte de uma grande companhia ou da companhia em que treinou, e esse é o único caminho. Mas não foi assim que aconteceu.

 

Quando meu tempo no Boston Ballet estava terminando, fui a cerca de 20 audições. Eu estava em quartos com 150 meninas, todo mundo esperando a mesma coisa. A única coisa que consegui foi outro estágio, com o Cincinnati Ballet.

 

Foi um ano “me encontrando”. Além de ter aulas na escola, os estagiários trabalharam bastante com a companhia, em o Quebra-nozes, Giselle e Peter Pan – todos os grandes ballets que eles tinham. No final do ano, eles mantinham uma mulher e um homem, e nos disseram que precisávamos procurar emprego. Eu me vi fazendo exatamente a mesma coisa novamente: 20 ou 30 audições.

 

Meu pai me levava para cada uma. Fiz uma audição em Ohio e voei para Oklahoma, Geórgia, Alabama e Nova York. Até voltei para Massachusetts e fiz uma audição para o Boston Ballet.

 

Grande parte desse processo é mental. Você passa duas horas tentando descobrir o que vai vestir e depois entra e vê todas as outras garotas que fizeram a mesma coisa. Há pessoas fazendo alongamentos no corredor, tentando se exibir, e isso pode realmente mexer com você. Eu tive que descobrir uma maneira de bloquear isso, encontrar meu próprio processo e não deixar nada me distrair. Todas essas pessoas com quem eu treinei estavam conseguindo empregos, então eu estava triste por estar em uma audição em primeiro lugar.

 

Minha infância inteira foi: “Se você entrar em uma companhia menor, isso é um fracasso”. Mas algo aconteceu em uma audição e pensei: “talvez esteja tudo bem se eu não estiver em uma grande companhia. Talvez seja disso que eu precise”.

 

Fiquei um tempo trabalhando com o Alabama Ballet, em 2009, sem remuneração. Nunca tinha ouvido falar deles, mas acabou sendo uma das melhores escolhas que já fiz. Eu estava um pouco derrotada pela audição, e havia algo sobre estar no Alabama que quebrou uma barreira dentro de mim que eu ainda tinha. Eles acreditavam em mim, me respeitavam e reconheciam meu trabalho duro. Mesmo como aprendiz, eu estava fazendo todo o trabalho do corpo. Em 2010, me ofereceram um contrato com a companhia e eu fui. Ao longo do caminho, aprendi como ser um bom membro do corpo, como ficar na fila e estar sincronizada com todos. Eu dancei em ballets de Balanchine e fiz papéis icônicos como Odette / Odile e Julieta – que nunca imaginei que dançaria.

 

Meus diretores no Alabama investiram muito em mim e sempre diziam: “Quando você estiver pronta para ir, você saberá”. Minha confiança aumentou. No meu último ano lá, pensei: Ok, acho que estou pronta para algo maior. Eu só testei um lugar: Miami City Ballet. A companhia sempre esteve no meu radar, mas eu nunca me senti completamente pronta para experimentar passar por eles antes.

 

Enviei meu pacote de audição em novembro de 2013 e fui convidada para participar da aula da companhia em fevereiro. Algo clicou, e eu simplesmente adorei. Eu encontrei o ajuste certo para mim – algo que não havia sentido nas audições no passado. Duas semanas depois, recebi um e-mail oferecendo-me uma posição no corpo e, agora, sou solista lá.

Meu caminho para o Miami City Ballet foi traçado pela vontade de correr riscos e superar o fracasso ao longo do caminho. Eu conheci muitas pessoas que nunca tiveram que fazer o teste – elas estavam em uma escola e foram direto para a companhia. Mas eu aprendi com audições em salas cheias de bailarinos, tendo que ficar lá e ser julgada de uma maneira diferente. Por mais que eu lidasse com a rejeição, isso me ajudou a me tornar a melhor bailarina que eu poderia ser.”

 

 

Texto traduzido e adaptado de:

https://www.dancemagazine.com/samantha-hope-galler-audition-2645257499.html