“A dança perde uma figura histórica e lendária”, anuncia o Teatro La Scala

Aos 84 anos, a coreógrafa italiana que desmistificou a figura da bailarina clássica morre após anos de luta contra o câncer

A famosa bailarina e coreógrafa italiana, Carla Fracci, que dançou com Rudolf Nureyev, Erik Bruhn, Vladimir Vasiliev e outros grandes artistas, faleceu de câncer aos 84 anos no dia 27 de maio de 2021, em Milão, no norte da Itália. E para honrar sua memória, conheça mais sobre a bailarina que trouxe ao mundo uma nova ideia dos balés românticos do século XIX.

Grande bailarina italiana falece aos 84 anos, mas seu legado será eterno para a dança

Carla nasceu no dia 20 de agosto de 1936, em Milão, e começou seus estudos no mundo da dança em 1946 na escola de dança do Teatro La Scala de Milão e após sua formatura foi convidada a ingressar na companhia. Em 1956, ela foi promovida à primeira artista e, dois anos depois, se tornou primeira bailarina do La Scala.

Fracci ficou famosa por seus papéis em “Romeu e Julieta”, de John Cranko; “Elvira”, em Don Giovanni de Leonid Massine; e “Giselle”, com a qual a fez entrar para a história pela força que dava em suas interpretações, além de desmistificar a figura da bailarina clássica graças às suas incursões no cinema, naa televisão e na publicidade. Além disso, ela se apresentou com as companhias de ballet mais importantes, incluindo o London Festival Ballet, Royal Ballet, Stuttgart Ballet, Royal Swedish Ballet, American Ballet Teatro e outros.

Carla Fracci e Vladimir Vassiliev, bailarino russo, apresentando ‘Giselle’ em Roma, Itália, em 1972. Foto: Stringer/Ansa/AFP

A bailarina que foi descrita como “esplêndida” por Charles Chaplin, “rainha da dança” na Itália e “a eterna menina dançante” pelo poeta italiano e ganhador do Prêmio Nobel, Eugenio Montale; também foi diretora das cias de ballets: do Teatro San Carlo, da Arena de Verona e depois do Ballet da Ópera de Roma, onde trabalhou até 2010.

Todos do mundo da dança estão tristes com a perda e o Teatro La Scala publicou uma nota oficial sobre a morte de Fracci. “O teatro, a cidade, a dança perdem uma figura histórica e lendária, que deixou uma marca muito forte em nossa identidade e que deu uma contribuição fundamental para o prestígio da cultura italiana no mundo”, diz o teatro milanês.

Segundo o jornal La Repubblica, a bailarina lutava contra um tumor diagnosticado há anos. “Se foi um monumento nacional, um mito da dança”, escreveu o jornal La Repubblica ao dar a notícia de sua morte.

Obrigada por tudo Carla, seu legado será guardado para sempre em nossos corações.

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale com a gente
Enviar via whatsapp