fbpx

10 Professores de Ballet que fizeram história

O dia do mestre já passou, mas não poderíamos deixar essa data em branco, homenageando aqueles que acreditam em nós bailarinos quando muitas vezes nem nós acreditamos, que nos corrigem e nos fazem aprender a cada dia. Para isso, selecionamos aqui 10 professores de ballet que fizeram história para nos lembrar da importância do professor de ballet, e para nos inspirar por tudo que eles fazem e fizeram em nome da dança

 

1) Pierre Beauchamps

Beauchamps foi um dos principais mestres de ballet durante o reinado de Luís XIV, e ele próprio foi o professor de ballet de Luís XIV, o Rei Sol, por mais de vinte anos.

Ele foi o primeiro grande mestre de ballet da história, tendo sido considerado pelo Rei Sol como “superintendente” do Ballet.

Beauchamps, se apropriou dos passos do Ballet de Corte transformando-os, lapidando-os até chegar nos passos que nós conhecemos hoje: os entrechats, o grand-jeté, o pas de bourrée.

Beauchamps também foi o responsável por criar e codificar as 5 posições dos pés que usamos até hoje no ballet em todas as metodologias e que se tornaram a base de todo o aprendizado no ballet clássico.

Foi um dos primeiros diretores da Academia Real de Dança e foi professor do primeiro primeiro-bailarino profissional, Claude Ballon, que ficou assim reconhecido pelos seus saltos, que se sustentavam no ar.

Com certeza Beauchamps fez história e construiu e eternizou as bases do ballet clássico!

 

2) Luís Dupré

Dupré foi o primeiro a ser chamado de “Deus da dança”, por suas habilidades técnicas incríveis para a época e também por seu físico elegante e nobre. Dançou até os 60 anos e até hoje ainda é identificado como “Le grand Dupré”.

Por alguns anos, ele também viveu e trabalhou em Londres; ele apresentou um grupo de estudantes no Lincoln’s Inn Fields e também nos cinemas de Dresden e Varsóvia.

Ele encenou vários trabalhos para a Ópera de Paris e para a Ópera Comique e até 1743 foi diretor da escola de ballet da Ópera, sendo um de seus principais professores, onde Gaetano Vestris e Jean-Georges Noverre, Marie-Anne de Cupis de Camargo estavam entre seus alunos.

Casanova foi um dos seus principais admiradores.

 

3) Jean-Georges Noverre

Noverre foi aluno de Dupré e criticou o próprio professor por considera-lo uma máquina de executar passos e não um bailarino. Em razão dessa crítica, uma das primeiras inovações trazidas à dança por Noverre foi tirar a máscara dos bailarinos, para que se pudesse ver as expressões faciais.

Noverre foi considerado à frente de seu tempo e criou o “ballet de action”, que mais tarde seria o que conhecemos como ballet de repertório. Para isso, além de tirar as máscaras, e acrescentar a pantomima, definiu as suas próprias concepções de ballet e de espetáculo e o ballet passa a ser uma arte independente.

Foi um aluno seu, Jean Dauberval, que criou o primeiro ballet de repertório aplicando as suas concepções de espetáculo. Foi criado, então La Fille Mal Gardée.

Essas inovações de Noverre foram tão importantes para a dança, que no dia do aniversário de Noverre também comemoramos o dia internacional da dança. O dia 29 de abril é desde 1982 o dia da dança e não é à toa!

Esse foi apenas um resumo, mas se quiser saber mais detalhes, clica aqui que já temos um post só sobre ele!

 

4) Carlos Blasis

Blasis foi um professor de ballet italiano, conhecido por ter aulas longas e rigorosas, com duração de às vezes QUATRO horas!

Insistiu que os seus alunos deveriam aprender teorias e definições dos passos de dança e se acredita que Enrico Cecchetti tenha se inspirado nele para mais tarde criar seu próprio método de ballet.

Blasis escreveu dois tratados importantíssimos para o ballet. O “Tratado elementar da dança”, em que trazia attitude, baseado na estátua de Mercúrio e o “Código de Terpisícore”, em que catalogou um alfabeto da dança e foi a primeira tentativa de sistematização da dança.

Carlos Blasis chegou a falar que a dança evoluiria tanto que dançaríamos nas pontas dos pés. Mas foi Charles Didelot que botou isso em prática.

 

5) Charles Didelot

Foi um professor de ballet francês e é conhecido por ter inventado a sapatilha de ponta. Foram duas de suas alunas que dançaram de ponta pela primeira vez: Genevieve Gosselin na França e Eudokia Istomina na Rússia.

É reconhecido também como “o pai do ballet russo”, pois foi ele quem primeiro começou a desenvolver o ballet russo, fazendo com que progredisse e chegasse a uma importância global. Ele chegou a entregar mais de 40 ballets completos!

 

6) August Bournonville

Era um professor de ballet dinamarquês. Treinou com seu pai, Antoine, que foi aluno de Noverre. Criou seu próprio método de ballet, o método Bournonville e fundou o Royal Danish Ballet. Seu método de ensinar ballet vige até hoje!

Também foi bailarino da Ópera de Paris, muitas vezes dançando ao lado de Marie Taglioni como seu partner.

Bournonville criou a sua própria versão do ballet La Sylphide, criado para Marie Taglioni por seu pai. Quando Bournonville fez essa versão também lançou a bailarina Lucile Grahn ao estrelato.

 

7) Marius Petipá

Foi um bailarino, professor e coreógrafo francês. Foi um dos que ajudou o ballet russo chegar ao alto nível que já temos hoje, e é conhecido por muitos como “pai do ballet clássico”. Foi o principal coreógrafo do Ballet Imperial, que hoje conhecemos como Mariinsky.

Fez mais de 50 ballets, chegando a dançar o primeiro ballet que coreografou (A Filha do Faraó) e refez as suas próprias versões de ballets já conhecidos, como Esmeralda e Corsário. Seus ballets são conhecidos e dançados até hoje.

Foi Petipá que voltou a dar importância à dança masculina, ofuscada no Romantismo, e foi também ele que criou a estrutura de Grand Pas de Deux que conhecemos hoje: entrée, adágio, variação masculina, variação feminina e coda.

 

8) Enrico Cecchetti

Foi um professor de ballet italiano e criou o seu próprio método de ballet, o método Cecchetti, que é ensinado até hoje.

Chegou a dançar no Ballet Imperial na Rússia, tendo sido elogiado por sua força e agilidade, e originou papéis como Carabosse e Pássaro Azul de A Bela Adormecida de Petipá.

Depois se dedicou ao ensino e entre seus alunos estavam: Anna Pavlova , Léonide Massine e Vaslav Nijinsky, que mais tarde seriam verdadeiras estrelas no ballet.

 

9) George Balanchine

Foi um professor e coreógrafo russo, mas não se manteve lá por muito tempo, pois deserdou da União Soviética, quando foi convidado para integrar o Ballet Russes de Diaghilev. Já nessa época chegou a criar coreografias para a companhia.

Mais tarde foi convidado por Lincoln Kristen, empresário americano que sonhava em criar uma companhia de ballet nos EUA. Lá ele desenvolveu uma dança totalmente nova, a partir dos estilos francês, italiano e russo.

Depois, em colaboração com Igor Stravinsky, criou a sua própria escola de ballet, a School Of American Ballet, que mais tarde se torna o New York City Ballet.

Balanchine também criou o seu próprio método de ballet, em que a agilidade, a naturalidade dos movimentos e a musicalidade são características bastante enfatizadas.

 

10) Agrippina Vaganova

Vaganova foi uma bailarina russa que chegou a integrar o Ballet Imperial. Mas como bailarina, apesar de ter uma técnica perfeita, não era considerada bonita e não tinha linhas bonitas ao dançar. Seu grande destaque foi de fato como professora, tendo dado aulas no Ballet Russes e foi diretora do Mariinsky.

Ficou mundialmente famosa pelo seu próprio método de ballet, usado em muitas companhias de ballet. Seu método codifica toda a aula de ballet; toda a sua ordem lógica de passos e como usar o corpo e a técnica corretamente estão sistematizados na sua metodologia de ensino.

Seu método foi descrito no livro “Princípios básicos do ballet clássico”, que se tornou leitura obrigatória para todos aqueles que se dedicam à dança clássica.

Após a sua morte, seu método de ensino foi preservado pelos instrutores, como Vera Kostrovitskaya. Esse método é ensinado de forma massiva na Rússia (onde é o mais utilizado), e se popularizou, sendo amplamente adotado na Europa, América do Norte e outras regiões.

Bailarinos formados pelo método Vaganova incluem: Anna Pavlova, George Balanchine, Mikhail Baryshnikov, Rudolf Nureyev, e muitos outros.

Vaganova é a prova de que não precisa ter sido uma grande bailarina para ser uma grande professora!

 

Selecionamos os 10 nomes que mais se destacaram na história da dança. Certamente daria para abordar muitos outros, mas não caberia aqui nesse post!

Também em homenagem ao dia do mestre, estamos lançando um curso online de variações com a Claudia Mota, primeira bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Já pensou poder ter como professora particular a primeira bailarina do TMRJ para te ensinar 4 variações clássicas? As inscrições já começaram! É só clicar aqui!



A Petite Danse quer enviar conteúdos exclusivos para você!

Entre na nossa lista de e-mail e comece a receber agora mesmo conteúdos feitos para Professores, Alunos e Donos de Escolas.

Sucesso! Enviamos um e-mail para você, verifique seu SPAM