fbpx

20 Curiosidades sobre o ballet A Filha do Faraó

1) Esse ballet foi o primeiro que Petipá coreografou. Ele não só coreografou como dançou no papel duplo de Lorde Wilson/Ta-Hor (podemos ver o próprio Petipá nesse papel duplo nas duas fotos acima). Esse foi seu último ballet como bailarino e marca seu sucesso como coreógrafo, especialmente na Rússia, local em que sua carreira e o ballet deslancharam também graças aos incentivos dos czares.

2) Quando Petipá coreografou este ballet, o fez sob a tutela de Arthur Saint-Leon, outro maître de ballet coreógrafo de sucesso da época (neste momento ele era um dos mestres de ballet dos Teatros Imperiais da Rússia), que teria ficado super conhecido por sua coreografia de Coppélia.

3) Esse ballet fez tanto sucesso desde a estreia em 18 de janeiro de 1862 que fez com Petipá, que naquela época era primeiro-bailarino e assistente de Arthur Saint Léon e Jules Perrot, conseguisse o posto de segundo mestre de Ballet dos Teatros Imperiais, logo após de Saint Léon.

4) Era muito comum que Petipá colocasse nos papéis principais bailarinas italianas. Isso porque elas teriam dançado na Ópera de Paris no momento em que Petipá lecionava antes de ir à Rússia. Quando Petipá foi para Rússia e lá montou seus grandes ballets de sucesso, levou com eles essas estrelas italianas. No ballet “A filha do faraó não foi diferente. A bailarina italiana estrela da vez foi Carolina Rosati, quem dançou o papel da princesa Aspícia. Mas na época da estreia do ballet, esta bailarina estava prestes a se aposentar e ficou nos palcos por mais três temporadas.

5) Após a saída dos palcos de Carolina Rosati e a sua partida de São Petersburgo, quem interpretou o papel da princesa Aspícia foi Maria Surovshchikova-Petipá, que foi grandemente comemorada no papel.

6) Houve um desentendimento na época da estreia do ballet. Petipá foi contratado para criar e coreografar este novo trabalho e Cesare Pugni foi contratado para compor a trilha sonora. Petipá esboçou um plano para o novo ballet antes de ele e sua esposa Maria Surovshchikova-Petipá embarcarem em sua turnê em 1861 na Europa Ocidental. Durante seu período em Paris, Petipá conheceu o renomado libretista Jules Henri Vernoy Saint-Georges, que planejou a trama para o novo ballet, que seria baseado no romance de Roman la Momie, de Théophile Gautier, em 1858, que contava a história de um jovem senhor chamado Evandale que se apaixona por uma egípcia antiga chamada Tahoser, morta há 3500 anos, mas cujo corpo e beleza milagrosamente permaneceram perfeitamente preservados. No caminho de volta a São Petersburgo, os Petipás visitaram o Museu Egípcio de Berlim, onde Petipá obteve inspiração para seu novo ballet, que se chamaria Filha do Faraó. No entanto, durante a ausência de Petipá de São Petersburgo, Rosati e Saburov se desentenderam, o que resultou em um atraso em informar Petipá quando os ensaios deveriam começar para a Filha do Faraó. O atraso continuou até dois meses antes do final da temporada e Petipá ainda não havia montado a produção; o tempo estava acabando antes da data prevista para o desempenho dos benefícios de Rosati. Rosati estava convencida de que Saburov estava deliberadamente esquecendo seu desempenho em benefício e o novo ballet, então ela e Petipá combinaram de conversar com Saburov sobre o assunto. O diretor informou que não havia dinheiro para a produção, apenas para que ele acabasse em uma situação comprometedora na frente deles. Esse incidente fez Saburov mudar de ideia rapidamente e permitiu que a Filha do Faraó fosse encenada. Apesar da pressa na montagem e conclusão, no entanto, a Filha do Faraó estreou e fez um grande sucesso.

7) Devido a esse desentendimento Petipá levou apenas 6 semanas para criar a obra, que marcou pelo uso de temas exóticos e por seu caráter grandioso.

8) Sua produção original contou com um prólogo, onde se podia ver uma procissão, macacos e camelos, 5 atos com numerosas variações para os solistas e o corpo de baile e uma apoteose, onde desfilavam uma série de deuses egípcios em um espetáculo com mais 400 participante que durou aproximadamente 4 horas de uma grande mescla de estilos na coreografia e no figurino.

9) Um número do primeiro ato é o aparecimento de um macaco que oscila através dos galhos da floresta, perturbando Aspícia e as caçadoras enquanto descansam. A Filha do Faraó foi apresentada no Teatro Imperial no dia do nome do czar Nicolau II em 6 de dezembro de 1916 e o ​​papel do macaco nessa performance foi George Balanchine, de 12 anos.

10) Em 1885, Petipá encenou seu primeiro renascimento da Filha do Faraó.Esse reavivamento foi planejado para o desempenho em benefício de Eugenia Sokolova, mas menos de duas semanas antes da data do show, Sokolova machucou a perna e foi forçada a se retirar. Isso deixou a administração dos Teatros Imperiais um pouco frenética, pois era tarde demais para mudar o cronograma. Naquela mesma temporada, a grande bailarina italiana Virginia Zucchi havia sido convidada para São Petersburgo, mas sua estreia estava marcada para dezembro na estreia em São Petersburgo de Peter Ludwig Hertel e La Fille mal gardée, de Paul Taglioni (foto acima). Sabendo o quanto os bailarinos de São Petersburgo estavam antecipando a chegada de Zucchi, um telegrama urgente foi enviado a ela, pedindo-lhe que viesse a São Petersburgo duas semanas antes do planejado. Como ela não tinha outros compromissos em outros lugares, Zucchi atendeu ao pedido e chegou à capital imperial russa em novembro de 1885. Foi somente após sua chegada que ela foi informada de que havia havido uma mudança de planos para sua performance de estreia e que ela agora dançaria o papel da princesa Aspícia em A Filha do Faraó em menos de duas semanas. A princípio, Zucchi recusou, pois não conhecia o ballet, mas, quando o assunto foi explicado, ela pensou que tinha possibilidades e aceitou o papel.

11) Quando foi anunciado que Virginia Zucchi faria a princesa Aspícia, todos os ingressos para sua nova apresentação de estreia esgotaram em poucas horas. Para este renascimento, Riccardo Drigo compôs alguns novos números musicais, incluindo um novo pas de sabree uma variação orientale para Zucchi.

12) Quando Virginia Zucchi dançou nesse renascimento de 1885, ela teve dificuldade em se adaptar ao tipo de tutu que era usado na Rússia na época, que tinha saias mais longas do que o tipo usado em sua Itália natal. Portanto, Zucchi encurtou as saias em seus trajes para a princesa Aspícia para que ela pudesse dançar mais confortavelmente, para o choque de Petipá. Felizmente, Zucchi evitou qualquer escândalo sobre o assunto e suas performances como Princesa Aspícia foram um enorme sucesso. As bailarinas russas seguiram seu exemplo e a saia de tutu russa foi encurtada depois disso.

13) Na virada do século XX, A Filha do Faraó era o ballet mais popular no repertório do Ballet Imperial, com sua colossal decoração representando uma enorme selva egípcia, o palácio do Faraó e um reino submerso encantado. Após o renascimento final de Petipá no dia 2 de novembro de 1898 para a performance beneficente de Anna Johansson, a grande Matilda Kschessinskaya foi a principal intérprete do papel da Princesa Aspícia.

14) Apesar do enorme sucesso, A Filha do Faraó esteve, desde o começo do século XX, fora dos repertórios e sua coreografia original foi perdida. No ano 2000 uma remontagem foi criada para o Ballet Bolshoi por Pierre Lacotte, que criou sua própria coreografia, baseado em algumas poucas notações de Petipá. A Filha do Faraó fez grande sucesso na Rússia pelo menos até cinquenta anos depois de sua estreia em 1862.

15) Para essa remontagem, Lacotte consultou os arquivos de numerosos museus e coleções particulares. Fez igual apelo à memória dos antigos dançarinos e no repertório que Lyubov Yegorova (sua professora) lhe transmitira e que ela aprendera de Marius Petipá, em São Petersburgo. Assim, Egorova lhe contou e mostrou as numerosas passagens desse ballet, no qual ela havia interpretado o papel de Aspícia. Entretanto, se a partitura de Cesare Pugni pôde ser reconstituída graças aos documentos originais, este não foi o caso da coreografia de Petipá, apenas quatro variações originais figuram Petipá. Os esforços de Lacotte para encenar a Filha do Faraó com base nas lembranças dos dançarinos nem sempre foram bem-sucedidos. Uma das bailarinas que ele consultou sobre o assunto foi a Prima Ballerina do Bolshoi, Marina Semyonova, uma célebre estudante de Agripina Vaganova, que havia dançado o papel da Princesa Aspícia apenas uma vez em sua carreira. A visita de Lacotte a Semyonova provou ser em vão, já que ela alegou que não conseguia se lembrar de nada sobre sua performance única como Aspícia ou qualquer outra coisa sobre o ballet. A produção de Lacotte da Filha do Faraó foi recebida com sucesso e desde então se tornou um membro popular do repertório do Ballet Bolshoi.

16) O ballet, no entanto, não sobreviveu na Rússia pós-revolução, devido ao fato de que as autoridades soviéticas sentiam que o trabalho era de “valor artístico insignificante”. Isso se deveu principalmente ao fato de que, de muitas maneiras, o novo regime achava que o ballet era um exemplo perfeito dos excessos teatrais da Corte Imperial Russa. Até a coreografia francesa, a produção de Pierre Lacotte para o Ballet Bolshoi em 2000, A Filha do Faraó não tinha sido realizada desde 1928 e, em muitos aspectos, passou para a lenda nos anais da história do ballet. O grande Rudolf Nureyev manifestara interesse em revivê-lo, mas, infelizmente, sua falta de saúde e eventual morte em 1993 o impediu de fazê-lo.

17) O renascimento final de A Filha do Faraó de Petipá foi notado no método de notação Stepanov entre 1903 e 1906 e faz parte da Coleção Sergeyev.

18) O papel da princesa Aspícia foi um dos papéis favoritos de Matilda Kschessinskaya. Em suas memórias, a bailarina reflete sobre quando foi convidada para dançar em Paris em 1908 e 1909. Como parte de suas aparições, ela apresentou ao público parisiense sua variação favorita de A Filha do Faraó, quando dançava no ballet La Korrigane e a variação foi recebida com grande sucesso.

19) Outra grande bailarina que fez também o papel de Aspícia foi a estrela Anna Pavlova em 1910.

20) A cena mais espetacular de A Filha do Faraó foi talvez a cena do Reino Subaquático. Nesta cena, Aspícia se jogou no Nilo para escapar das garras do Rei da Núbia e desce para o reino subaquático do Pai Nilo. O deus dá as boas-vindas a Aspícia de braços abertos, após o qual é executado o Grand Pas des fleuves, ruisseaux et sources. Posteriormente, é realizado um Pas de la Vision, no qual Aspícia é mostrada uma visão de seu amado Ta-Hor e implora para retornar a ele; este pas é paralelo às cenas de visão de A Bela Adormecida e Raymonda.



A Petite Danse quer enviar conteúdos exclusivos para você!

Entre na nossa lista de e-mail e comece a receber agora mesmo conteúdos feitos para Professores, Alunos e Donos de Escolas.

Sucesso! Enviamos um e-mail para você, verifique seu SPAM